Covid-19

Mas também acima da DGS temos a OMS... Quantas vezes já andaram de um lado pró outro com a opinião...

Depois temos o grande problema que são as pessoas... Que muitas delas se lhes for só "aconselhado" é "ah.. tass bem".... Depois temos outras que são o oposto...

Enfim..
 

gfrmartins

Well-Known Member
O pessoal vai andar de mascara de bike?
Exceções à obrigatoriedade
Pode haver dispensa desta obrigatoriedade “em relação a pessoas que integrem o mesmo agregado familiar, quando não se encontrem na proximidade de terceiros” ou mediante a apresentação de um atestado médico de incapacidade multiusos ou declaração médica que ateste que a condição clínica ou deficiência cognitiva não permitem o uso de máscaras.

Também não é obrigatório o uso de máscara quando tal “seja incompatível com a natureza das atividades que as pessoas se encontrem a realizar”.

Vamos esperar o que o DR diz
 
Por acaso tava a ler a noticia agora e pensei no mesmo...

Mas "Também não é obrigatório o uso de máscara quando tal “seja incompatível com a natureza das atividades que as pessoas se encontrem a realizar”.".... Para mim não é compatível...
 

cconst

Well-Known Member
Aliás a nossa "normalidade" agora é essa mesmo.
Se fosse, não se verificaria o que se está a passar neste momento.

A malta facilita.

Já vi comparações com o sinto de segurança (ainda me lembro de quando entrou em vigou a obrigatoriedade). A malta tinha (e ainda tem) medo que a polícia autue. Como ninguém autua ninguém... "tá-se bem!" e se até o Reinaldo acusa positivo e está na boa...

O pessoal vai andar de mascara de bike?
Tanto quanto consegui ler (hoje bem cedo), a máscara é obrigatória desde que não se consiga manter distancia de segurança e é ajustado à actividade que se faz na rua.

Não faz qualquer sentido usar mascara durante a pratica desportiva, para mais tratando-se de um desporto não coletivo.
Mas por falar em andar de bike... tenho visto aqui à volta de lisboa autênticos pelotões (+ de 20 pessoas na roda e a par/trio)... será que estes pelotões são apenas compostos por pessoas do mesmo agregado familiar, tal como é aconselhado pela DGS e OMS?
 

Reis

Active Member
Certo. Mas que medidas sugerias tu?

Quando o povo não segue voluntariamente as medidas mais básicas e temos números que podem colocar em risco o SNS, têm que ser tomadas algumas. Sabendo que o fim de semana do dia de Todos-os-Santos (ou do dia dos Finados) tem tipicamente um fluxo grande das cidades para as "terrinhas" (terrinhas essas que tipicamente são envelhecidas, logo consideradas de risco), tenta-se desta forma minimizar o potencial contágio dos grandes centros a esses locais mais desprotegidos.

Eu não sei qual a vossa realidade. Mas apenas para dar dois exemplos:
1. quando vou por/buscar as miúdas à escola é recorrente encontrar ADULTOS que não respeitam a distancia de segurança nem usam máscara.
2. à porta de cafés pessoas (ADULTAS) a cruzarem-se e a conviverem de cerveja na mão e máscara no cotovelo e - claro - nem 1m de distanciamento.

A culpa destas medidas avulso não é de quem as impõe. São, do meu ponto de vista, tentativas para minimizar uma pandemia que muitos teimam em não valorizar (seja porque motivo for) e esquecem-se daqueles que - por causa da COVID-19* - necessitam do SNS por uma outra qualquer patologia e não conseguem.

*o por causa da COVID-19 pode ser mesmo porque as pessoas infetadas ocupam o SNS ou porque o Estado usa o COVID-19 para esconder as deficiências e falta de investimento no SNS.

Os mais céticos podem sempre argumentar que os números são o que são, e que outras patologias têm números superiores e não se faz alarido... Mas a verdade é que se nada se fizer, serão os números do COVID somado aos outros todos. Podem argumentar que é tudo inventado. E até podem dizer que a terra é plana!. Mas jogam no Euromilhoes 2x por semana (porque podem ganhar... mas a probabilidade de ganhar o EM é menor do que morrer com o COVID, arrisco eu a dizer, que não me apetece ir fazer contas).
Tu mesmo respondes ao que perguntas, e aposto que um fim de semana prolongado têm muito mais movimentação do que um dia de finados ao sábado.
 

cconst

Well-Known Member
Tu mesmo respondes ao que perguntas, e aposto que um fim de semana prolongado têm muito mais movimentação do que um dia de finados ao sábado.
Depende de cada um. Há quem dê valor ao tempo. E existe quem dê valor à tradição (muita dela com herança do catolicismo dos nossos pais/avós). Para os nossos pais e avós é muito importante (ainda para mais nesta altura de isolamento) que se mantenham estas tradições, não só dos finados, mas a do "Pão por Deus" e outras tantas (na minha terra, é neste fim de semana se que abre a "agua-pé" e se correm todas as adegas a provar a que cada um produziu, acompanhado de petiscos caseiros... estão a imaginar o distanciamento?).

@Reis já vi que achas tudo isto um exagero porque - provavelmente - pensas que todos têm os mesmos cuidados que tu, e os que tens consideras que são os mais adequados.
Tenho-te a dizer que conheço pessoas que levam tudo isto na boa (sem máscaras, a irem a super-mercados e a mexerem na cara,...) e conheço pessoas que desde março que não entram em espaços públicos a não ser que sejam obrigados a isso (e quando entram em casa, vão diretos para a banheira, nem que seja 5 vezes por dia).

Mas pronts, é a liberdade. O diferendo de opiniões, umas mais racionais e outras mais emocionais... E é o problema de definições como "distancia de segurança adequada".
 
Não existe consenso científico sobre o grau de eficácia ao usar máscaras durante a prática desportiva ao ar livre (no caso o ciclismo) no combate à Covid. Em todo o caso é consensual que o uso da máscara reduz a velocidade de proliferação do vírus.

Pedalar com máscara, para além de dificultar bastante a oxigenação, com respiração ofegante torna-se mais desconfortável. A espiração e o suor vão molhar a máscara, dificultando, ainda mais, a inspiração de ar fresco e promovendo o aumento de vírus e bactérias. Para além de ser ridiculo, é absolutamente desaconcelhável o uso de máscara no queixo,

Mas a responsabilidade social e a imagem do ciclista também está em causa. Independente da obrigatoriedade, vale o bom senso. Quase sempre tenho pedalado sozinho. Na estrada procuro não me deixar envolver em pequenos grupos e muito menos em pelotões. Na situação casual de uma aproximação, ou acelero ou fico para trás. A vontade de ir na roda fica logo posta de parte. Nunca temos a certeza se estamos infectados e transmitindo a outros, ou vice-versa.

Caso esteja a passar num local mais movimentado, o que ocorre especialmente nas minhas pedaladas urbanas e commute, devemos prestar atenção às pessoas ao redor e tentar manter-se o mais distante possível. Do mesmo modo que pedimos ao automobilista que nos dê a distância de 1.5m, é uma questão de respeito o ciclista não pedalar diretamente entre os peões, atrás de outro, e procurar abrir distância ao ultrapassar alguém mais lento, um peão, um corredor ou outro ciclista.

Mesmo se não estou a usar máscara durante a pedalada, mesmo sem a intenção prévia de parar para tomar um cafézinho ou comprar umas águas, levar sempre uma máscara hermeticamente guardada no bolso do jersey é uma boa ideia.
 

cconst

Well-Known Member
Mas a esponsabilidade social e a imagem do ciclista poderá também está em causa. Independente da obrigatoriedade, vale o bom senso. Quase sempre tenho pedalado sozinho. Na estrada procuro não me deixar envolver em pequenos grupos e muito menos em pelotões. Na situação casual de uma aproximação, ou acelero ou fico para trás. A vontade de ir na roda fica logo posta de parte. Nunca temos a certeza se estamos infectados e transmitindo a outros, ou vice-versa.
tal e qual.

Eu corro e pedalo. E agora comigo alem do CC, 10 Eur, e telemovel, vai uma máscara apenas para o caso de ser necessário.
 
tal e qual.

Eu corro e pedalo. E agora comigo alem do CC, 10 Eur, e telemovel, vai uma máscara apenas para o caso de ser necessário.
Exacto, eu também levo, porque não sei a necessidade que vou ter de parar em algum sitio para comprar agua ou mesmo comida.

A isso eu chamo bom senso. Infelizmente nem toda a gente tem e só quando são obrigados é que a coisa funciona (ou não).

Ainda em Setembro, fui passar um fim de semana na Ericeira.

Jantamos com a miúda ali proximo do Vila Galé, tudo as moscas. O restaurante era praticamente nosso. Fomos dar uma pequena volta depois de jantar, entramos mais para o miolo, era só gente na rua... uns a espera de restaurante, outros a conversa...

Evitamos algumas ruas e usamos mascara noutras...

Mas...
 

Reis

Active Member
Depende de cada um. Há quem dê valor ao tempo. E existe quem dê valor à tradição (muita dela com herança do catolicismo dos nossos pais/avós). Para os nossos pais e avós é muito importante (ainda para mais nesta altura de isolamento) que se mantenham estas tradições, não só dos finados, mas a do "Pão por Deus" e outras tantas (na minha terra, é neste fim de semana se que abre a "agua-pé" e se correm todas as adegas a provar a que cada um produziu, acompanhado de petiscos caseiros... estão a imaginar o distanciamento?).

@Reis já vi que achas tudo isto um exagero porque - provavelmente - pensas que todos têm os mesmos cuidados que tu, e os que tens consideras que são os mais adequados.
Tenho-te a dizer que conheço pessoas que levam tudo isto na boa (sem máscaras, a irem a super-mercados e a mexerem na cara,...) e conheço pessoas que desde março que não entram em espaços públicos a não ser que sejam obrigados a isso (e quando entram em casa, vão diretos para a banheira, nem que seja 5 vezes por dia).

Mas pronts, é a liberdade. O diferendo de opiniões, umas mais racionais e outras mais emocionais... E é o problema de definições como "distancia de segurança adequada".
Eu não acho que é um exagero, só acho como disse uma medida avulso, pontual, no meu entender o impacto é quase nulo, até porque o feriado bate no sábado e acho que nestas circunstâncias são poucas as pessoas a fazer centenas de km. Eu vivo numa terrinha, não tenho o hábito de ir ao cemitério mas já ouvi várias pessoas que têm esse hábito dizer que vão antes para fugir ao ajuntamento.

É só a minha opinião.
 

cconst

Well-Known Member
Eu vivo numa terrinha
Pois... Mas quem não vive?! Muita da população de lisboa entre os 55 e 75 anos são migrantes com origem em terreolas do interior. São estas famílias que tipicamente vão à "terra". Eu próprio, nos 40, sou migrante em Lisboa. E em condições normais iria à "terrinha". E iria participar na abertura da água pé, de caneca na mão de tasca em tasca.

Mas o problema é que exista quem ache que isto do COVID é apenas uma gripezita e vai na mesma a este tipo de eventos. E basta uma pessoa estar infetada. Depois, por acaso uma dessas pessoas até trabalha num lar. Ou é casado com alguém que trabalha num lar. E duas semanas depois, aparece esse lar na TV.

Eu sei que o cenário anterior é dantesco e exagerado. Mas vão aparecendo surtos aqui e acolá, e não se tem conseguido evitar esses surtos. Como? Se todos tomam as precauções que acham adequadas?!

Eu não acho que é um exagero, só acho como disse uma medida avulso, pontual, no meu entender o impacto é quase nulo
Já está mais que visto que o povo não vai lá com recomendações. Caso contrário o número de casos não aumentava a este ritmo, nem correríamos o risco de colocar o SNS em ruptura.
O povo tem que sentir na pele para agir de acordo. E por causa de uns poucos, o todo sofre.
Acredito que esta proibição (juntamente com o uso obrigatório de máscara em locais públicos) tenha como objetivo principal amedrontar o povo ao ponto de pensar que pode existir um confinamento obrigatório no Natal (coisa que acredito que ninguém quer!). E se não resultar este fim de semana, existem os dos feriados de Dezembro!

@Reis eu não te conheço e provavelmente és um tipo à maneira. E não estou de forma alguma a entrar de ponta contigo apenas porque tens uma opinião [ligeiramente] diferente. É saudável esta discussão.
 

cou7inho

Well-Known Member
Nem sei se ria ou se chore, vejam-me este episodio.
A minha namorada esteve em contacto com vários casos positivos num dos estágios.
Foi mandada ontem para casa para ficar em isolamento.Hoje foi fazer o teste. Não tem sintoma absolutamente nenhum. Liga agora para a Saúde 24 e o que é que lhe dizem? Tem de ir ao centro de saúde para ser observada pelo médico. Ao que ela pergunta - mas se não tenho sintomas nenhuns, só fui hoje fazer o teste e não sei se estou infetada porque é que vou para um centro de saude para estar em contacto com muitas pessoas que lá estão incluindo idosos. Resposta da linha da linha de saude - Não se preocupe que aquilo é só dedicado à covid por isso tem de ir.
Estamos a falar de um centro de saude que está sempre à pinha e que não é porra nenhuma dedicado à covid... Alguém me consegue explicar isto?
 

lu1s

Active Member
So acho que privando os cidadãos dos seus direitos, devia ser claro como a agua. Mas não, a excepção fica ali no limbo da actividade que se está a realizar...ficando ao livre arbítrio do Sr agente entender que o ciclismo ou a corrida é uma dessas actividades. Não pode, a lei tem de ser objectiva.
 

lu1s

Active Member
tal e qual.

Eu corro e pedalo. E agora comigo alem do CC, 10 Eur, e telemovel, vai uma máscara apenas para o caso de ser necessário.
Eu idem. Ainda no sábado parei a caminho da Quinta do Anjo, coloquei a minha máscara e fui comer um croissant, numa pastelaria à beira da estrada. É como em tudo, se queremos respeito, temos de respeitar. E se todos fizermos o correcto, sairemos todos beneficiados
 
sem estado de emergência, vai contra a constituição a proibição de circulação entre concelhos. ou eles decretam estado de emergência, ou qualquer agente da autoridade vai pensar duas vezes quando alguém lhe disser que não cumpre a ordem porque é inconstitucional e vai apresentar queixa em tribunal.....
 

gfrmartins

Well-Known Member
So acho que privando os cidadãos dos seus direitos, devia ser claro como a agua. Mas não, a excepção fica ali no limbo da actividade que se está a realizar...ficando ao livre arbítrio do Sr agente entender que o ciclismo ou a corrida é uma dessas actividades. Não pode, a lei tem de ser objectiva.
A prática de actividade nunca foi proibida, não me parece que agora coloquem a obrigatória de mascara quando a actividade fisica sempre foi permitida sem o uso de mascara