O que fazer em caso de acidente? - direitos

jcca

Well-Known Member
#21
- quando respondeste à seguradora fizeste por carta com aviso de recepção (para evitar aquele "ups não recebemos nada")?
Entreguei sempre em mão ao meu agente de seguros que enviou para o responsável do processo (que não foi quem resolveu o assunto no final)

- o tempo entre contacto por parte da seguradora é imenso (dois meses no ponto 7). Durante este tempo foste "picando o ponto" à seguradora para os pressionar ou ficaste à espera?
Esses dois meses foi depois da minha recusa da proposta inicial deles (até à proposta inicial do assunto do material foram 4 semanas se fores federado e tiveres provas será mais rápido ou têm de te pagar um aluguer de uma para substituir) deles e sim fui chateando

- as despesas de saúde só te foram pagas no fim? Foste apresentando as despesas à medida que as tinhas ou juntaste tudo e só entregaste quando ficaste "curado"?
As despesas de saúde foram pagas no final e só depois de uma consulta por um médico que trabalhava para eles que fez um relatório, de ressalvar que devemos de ir sempre ao hospital (nestas situações, e a policia vir ao local), outro assunto que tb aprendi nessa consulta é se temos dores metemos sempre baixa/atestado (eu não o fiz no momento do ano não era impeditivo das actividades que tinha de fazer no meu trabalho) esses factos todos interessam no momento de calcular o Quantum Doloris e é com base nessa escala que será calculada a indemnização.
 
#22
Lembrei-me agora de vir aqui dar uma conclusão a este tópico tendo em conta que o processo está concluído.

Resumindo:
Do acidente até ao processo estar concluído passaram cerca de 6 meses.
A seguradora do condutor assumiu a responsabilidade, deram-me um valor pela bicicleta (perda total) e pelo material (roupa, etc) que não achei descabido, tentei regatear uma vez mas não aceitaram. Como até era um valor justo, aceitei.
Continuei a fazer fisioterapia, pagando do meu bolso e posteriormente solicitando o reembolso o qual foi sempre pago sem objeção. Pedi também uma indemnização por danos não patrimoniais, e aqui aceitaram logo o valor que propus pelo que fiquei na dúvida se devia ter pedido mais ou não.

Estes 6 meses foram em plena época de confinamento, por isso também não ajudou a que o processo andasse mais rápido.

Deixo o agradecimento a quem me deixou dicas sobre o que fazer e o que esperar neste processo com a seguradora que, tendo em conta as circunstâncias (pandemia), até acho que correu bem apesar de demorado.
 
#24
A seguradora é a Fidelidade. Não foram muito rápidos a assumir a responsabilidade do acidente, mas aqui também culpo a situação de pandemia que estava no início, porque o perito quis falar comigo pessoalmente para saber como tinha ocorrido o acidente e fizeram o mesmo com a testemunha que indiquei. Acho que na altura em que queriam entrevistar a testemunha ela estava no hospital ou de quarentena já não sei, isso também deve ter levado a demorarem mais a assumir a responsabilidade.

Quanto ao seguro para ciclistas, tenho o da FPC e nem o meti ao barulho. Sinceramente, acho que a cobertura RC é baixa (50.000€), por isso não sei se vou renovar este no próximo ano ou se escolho outro.
Uma das vantagens deste seguro da FPC é teres um desconto na inscrição dos Granfondos.
 

petrix

Well-Known Member
#25
É bom saber que acabou bem!
Como foi a relação com a outra seguradora no geral? Parece ter sido boa... Podes dizer qual é?
Recomedarias o seguro da FPC?
A seguradora é a Fidelidade. Não foram muito rápidos a assumir a responsabilidade do acidente, mas aqui também culpo a situação de pandemia que estava no início, porque o perito quis falar comigo pessoalmente para saber como tinha ocorrido o acidente e fizeram o mesmo com a testemunha que indiquei. Acho que na altura em que queriam entrevistar a testemunha ela estava no hospital ou de quarentena já não sei, isso também deve ter levado a demorarem mais a assumir a responsabilidade.
Quanto ao seguro para ciclistas, tenho o da FPC e nem o meti ao barulho. Sinceramente, acho que a cobertura RC é baixa (50.000€), por isso não sei se vou renovar este no próximo ano ou se escolho outro.
Uma das vantagens deste seguro da FPC é teres um desconto na inscrição dos Granfondos.
Mas o que é que tem a ver o seguro da FPC???
Se a culpa foi do outro condutor, é o seguro dele que tem que cobrir as despesas... até podias nem sequer ter seguro.
 
#26
Num acidente de carro as 2 seguradoras têm que se entender...
Aqui neste caso em específico talvez seja fácil entender quem é o culpado, mas e se a seguradora começasse com muitos entraves? Assim qualquer um se mete na frente de um carro, diz que a culpa é do carro e cria-se um problema.

Estou a ver as coisas mal?
 
#27
Num acidente de carro as 2 seguradoras têm que se entender...
Aqui neste caso em específico talvez seja fácil entender quem é o culpado, mas e se a seguradora começasse com muitos entraves? Assim qualquer um se mete na frente de um carro, diz que a culpa é do carro e cria-se um problema.

Estou a ver as coisas mal?
Estou a ver que tens tendência a complicar :p

Neste caso era fácil saber quem era o culpado, mas numa situação mais dúbia eu poderia usar a minha apólice de seguro e depois as duas seguradoras que se entendessem. Se eu fosse declarado culpado, então entraria em ação o meu seguro da FPC: a apólice AP (acidentes pessoais) para cobrir as minhas despesas de saúde e a apólice RC (responsabilidade civil) para cobrir os danos do outro veículo.
 
#28
Confesso que ligo muitas vezes p complicometro :cool::p:D
Mas aqui acho que não... Eu só perguntei se recomendavas o seguro da FPC, o petrix é que veio dizer o que tinha que o seguro a ver, e depois aproveitei e comecei a complicar.

A questão é que a seguradora não teve grandes entraves, mas podia querer muito mais detalhes embora houvesse uma testemunha.

A questão com que fico é:
Desde que tenhamos razão, até mesmo sem seguros saímos "beneficiados"?
Ou o facto de se ter seguro pode ter influenciar as coisas?
Só estou a questionar:)

Estou a tentar perceber que decisões as seguradoras podem tomar baseadas no facto de termos ou não seguro, por mais fraco que seja
 

petrix

Well-Known Member
#29
A seguradora é a Fidelidade. Não foram muito rápidos a assumir a responsabilidade do acidente, mas aqui também culpo a situação de pandemia que estava no início, porque o perito quis falar comigo pessoalmente para saber como tinha ocorrido o acidente e fizeram o mesmo com a testemunha que indiquei. Acho que na altura em que queriam entrevistar a testemunha ela estava no hospital ou de quarentena já não sei, isso também deve ter levado a demorarem mais a assumir a responsabilidade.

Quanto ao seguro para ciclistas, tenho o da FPC e nem o meti ao barulho. Sinceramente, acho que a cobertura RC é baixa (50.000€), por isso não sei se vou renovar este no próximo ano ou se escolho outro.
Uma das vantagens deste seguro da FPC é teres um desconto na inscrição dos Granfondos.
Num acidente de carro as 2 seguradoras têm que se entender...
Aqui neste caso em específico talvez seja fácil entender quem é o culpado, mas e se a seguradora começasse com muitos entraves? Assim qualquer um se mete na frente de um carro, diz que a culpa é do carro e cria-se um problema.

Estou a ver as coisas mal?
Não é por tu teres ou não seguro que vais ser considerado culpado ou inocente, para isso é que existem os relatórios da polícia e as testemunhas para comprovar o que realmente aconteceu... os peões quando atravessam a passadeira e são atropelados também não têm seguro... agora se se atiraram de propósito ou não para a frente do carro, isso já é outra história.
 

petrix

Well-Known Member
#30
Confesso que ligo muitas vezes p complicometro :cool::p:D
Mas aqui acho que não... Eu só perguntei se recomendavas o seguro da FPC, o petrix é que veio dizer o que tinha que o seguro a ver, e depois aproveitei e comecei a complicar.

A questão é que a seguradora não teve grandes entraves, mas podia querer muito mais detalhes embora houvesse uma testemunha.

A questão com que fico é:
Desde que tenhamos razão, até mesmo sem seguros saímos "beneficiados"?
Ou o facto de se ter seguro pode ter influenciar as coisas?
Só estou a questionar:)

Estou a tentar perceber que decisões as seguradoras podem tomar baseadas no facto de termos ou não seguro, por mais fraco que seja
Sim, sem teres seguro também sais beneficiado, por exemplo existe uma tabela que de acordo com o grau de incapacidade que ficaste, estabelece o valor da indemnização... se não estiveres de acordo, aí um advogado pode ajudar... mas claro são mais despesas que vais ter também.
 
#31
Não é por tu teres ou não seguro que vais ser considerado culpado ou inocente, para isso é que existem os relatórios da polícia e as testemunhas para comprovar o que realmente aconteceu... os peões quando atravessam a passadeira e são atropelados também não têm seguro... agora se se atiraram de propósito ou não para a frente do carro, isso já é outra história.
Bom ponto, não me lembrei desse caso dos peões!
Ok, faz sentido.
Mas aí é que está: neste caso foi fácil felizmente identificar o culpado. Mas... E se o condutor diz: na na, com a velocidade eu entrei primeiro na rotunda, o ciclista devia ter parado e não o fez e fui contra ele.
E depois está o caldo entornado porque ppr si só, todo o processo vai demorar mais tempo
 

petrix

Well-Known Member
#32
O caso que tive foi que estava a circular numa rotunda e uma condutora ao entrar na mesma não parou e atropelou-me... no caso de haver feridos e ser chamada uma ambulância, a polícia vai automaticamente ao local tomar conta da ocorrência.
 

jcca

Well-Known Member
#33
[QUOTE="jocarreira, post: 400765, member: 32326".......
A seguradora do condutor assumiu a responsabilidade, deram-me um valor pela bicicleta (perda total) e pelo material (roupa, etc) que não achei descabido, tentei regatear uma vez mas não aceitaram. Como até era um valor justo, aceitei.
Continuei a fazer fisioterapia, pagando do meu bolso e posteriormente solicitando o reembolso o qual foi sempre pago sem objeção. Pedi também uma indemnização por danos não patrimoniais, e aqui aceitaram logo o valor que propus pelo que fiquei na dúvida se devia ter pedido mais ou não.
.[/QUOTE]
1º Ainda bem que está resolvido.
2º Óptimo que foram valores justos.
3º Se os valores foram justos porquê o regateio ou porquê a duvida se podias ter pedido mais.
4º O principal é que foste tu que trataste de tudo e ainda cá estas a pedalar.
Boa sorte a poucos acidentes a todos.
 
#34
@elchocollat estás mesmo a complicar. Descrevo vários pontos para tentar esclarecer as tuas dúvidas:
  1. A polícia não decide nada sobre a responsabilidade do acidente, apenas regista o auto;
  2. Feita a participação à seguradora, é esta que vai apurar os factos e com isso decidir se assume a responsabilidade ou não. Foi um perito ver a bicicleta e material e outro veio falar comigo. Estive cerca de 1h30 a descrever tudo tintim por tintim e a mostrar fotos, documentos, etc. Ao contrário do que já li por aí, não tive que levantar o auto na polícia, foi o próprio perito que tratou disso;
  3. Se, e reforço o se, o acidente tivesse acontecido de outra maneira onde a responsabilidade não fosse tão evidente de apurar e a seguradora me dissesse que não assumia a responsabilidade, então nesse caso eu accionaria o meu seguro da FPC porque o mesmo inclui uma assessoria jurídica que me pudesse ajudar no caso. Isto claro se eu estivesse absolutamente convicto que a culpa não era minha. Mas aqui o processo teria que seguir a via judicial.
3º Se os valores foram justos porquê o regateio ou porquê a duvida se podias ter pedido mais.
Eu li, reli e voltei a reler vários decretos-lei sobre os meus direitos nesta situação mas, para além de as tabelas estarem desatualizadas, esta indemnização tem sempre o seu quê de subjectivo o que torna mais difícil de apurar um montante justo de indemnização.
A jurisprudência que encontrei também não me valeu de nada porque são casos que foram a tribunal, logo com montantes muito mais elevados e pessoas com traumas muito maiores do que o meu.
Fiz umas contas por alto e atirei um valor depois de um texto que elaborei de fazer inveja a um qualquer advogado, cheio de jargão jurídico e referências a artigos da Lei :p
Só me responderam-me "sim senhor vamos pagar" (nem sequer pediram que fizesse um exame pericial) pelo que fiquei a pensar "será que tinha direito a mais e eles estão a esfregar as mãos por ter pedido pouco?"
É neste sentido que disse aquela frase.

O que interessa é que recuperei a saúde e não fiquei prejudicado materialmente. Happy ending. :)
 

Duke

Well-Known Member
#36
Pedi também uma indemnização por danos não patrimoniais, e aqui aceitaram logo o valor que propus pelo que fiquei na dúvida se devia ter pedido mais ou não.
Esta indemnização de por danos patrimoniais é referente ao quê? a bicicleta e o equipamento que se estragou? ou é algum extra alem disso?