A minhas histórias...

Morg

Well-Known Member
#1
Depois de tanto tempo pelo fórum decidi-me a publicar as minhas histórias.

A maior parte das vezes ando sozinho e para cumprir objectivos pessoais.
Por exemplo, quero ir ao alto daquela serra, vou até ali beber café e volto. São estas as minhas humildes motivações mas que continuam a fazer-me pedalar a maior parte dos dias da semana.
Treino apenas como forma de melhorar a minha condição física para que possa concretizar objectivos cada vez mais ambiciosos.
Moro perto de Beja mas desloco-me mensalmente a Castelo Branco onde aproveito para fazer umas subidas daquelas que não encontro na minha zona.
Não gosto muito de parar para tirar fotos por isso apenas vou colocar algumas esporadicamente.

Dito isto passo ao relato do meu passeio com maior acumulado até hoje.
 

Morg

Well-Known Member
#3
9-11-2013 - Hoje vou a Oleiros!

Este fim-de-semana foi dos que passo em Castelo Branco e aproveitando o desafio do Strava “IMBA’s Take It to the Trails” pensei em fazer num dia a metade que me faltava.
O desafio consiste em fazer 5000m em 9 dias. Nesta altura do ano só ando na estrada ao sábado e domingo, o que me dá 4 dias para cumprir o objectivo. Na semana anterior cumpri o definido e fiz 2500m em 2 passeios. Talvez mais tarde conte a história destas voltas.
Seguindo a máxima “não deixes para amanhã o que podes fazer hoje” desta vez quis fazer logo os 2500m no sábado, nunca se sabe que surpresas meteorológicas podem aparecer.

Na sexta fui buscar a roda traseira Token que estava numa loja para reparar há 1 mês. Não estava muito mal, apenas queria ver se um profissional a deixava melhor que eu, depois de ter trocado todos os raios do lado da cassete. Um maldito arame enfiou-se no desviador há um ano atrás.
Estava a andar com uma Aksium atrás e as mais 300g que a Token acho que se iriam notar quando as percentagens subissem acima dos 5/6%.
Sábado não quis sair muito cedo porque a volta seriam uns 110km e para uma média de 20-25km/h umas 5 horas deviam chegar.
Bebi café perto de casa para aproveitar a companhia do meu cunhado que infelizmente tão partilha comigo este vício ciclístico.
Saída às 8H30m em direcção a Sarjedas, já nem preciso de GPS nesta parte já fiz várias vezes. Os primeiros 10kms são sempre a abrir, é quase sempre a descer até ao rio Ocreza. Depois temos uma subida de 4ª que dá para aquecer, fazemos algum sobe e desce e chegamos a Sarjedas. Tive alguma dúvida que estrada seguir mas obedecendo ao GPS segui em direcção à Lisga. Este troço até ao Pomar é mesmo um regalo para quem gosta de cicloturismo. Sem grande dificuldade e com uma paisagem deslumbrante.
A seguir começou a festa, uma das piores subidas que fiz até hoje, minhas ricas -300g das rodas que fui buscar no dia anterior. No Strava dá 4.3km e 9%.
Toca a descer para a Lisga, nesta descida afastei por completo a ideia de ter apenas um par de rodas e com pista travagem em carbono. Sofro bastante a descer e esta descida de vários kms foi quase sempre a travar.
Nunca tinha ido à Lisga, uma aldeia pequena metida numa cova. Todos as pessoas com quem me cruzei me falaram e disseram alguma frase. O mais engraçado foi uma idosa que ao ver-me na subida virou-se para mim e disse: “ai menino………”. Não é que tinha razão! Estava a começar uma subida de 1,4km com 11.3% em CALÇADA!



Depois disto foi rolar para recuperar da dose. Enganei-me quando cheguei a Bonjardim, mas ainda bem porque fui conhecer uma praia fluvial e um parque de campismo que parecia estar num pequeno paraíso. Infelizmente estava vazio mas pelo que me disseram costumam ter muito movimento no verão.



Passei na zona industrial de Oleiros e como não me queria demorar segui em direcção a Almaceda. O troço seguinte é pela parte alta da serra, para quem gosta de sítios altos é muito bonito mas para mim que tenho vertigens não é dos locais que mais gosto. Prefiro 10x fazer as subidas anteriores do que andar nesta zonas altas. Para piorar a situação estava vento, outra situação em que dei graças por ter umas rodas de 22mm.





Chegado à Foz do Giraldo é uma descida de muito kms que passa perto de Almaceda e vai até Salgueiro do Campo onde fazemos uma subida de 3,7km a 3.3%. Felizmente não vinha “morto” e até fiz o meu melhor tempo nesse segmento.
Para terminar a entrada em Castelo Branco com 2,3km e 3,9%.

Strava
110km
2600m

Obrigado por terem aguentado até ao final!
Nuno Morgado
 

jpacheco

Well-Known Member
#6
Ai essa subida à Lisga deve ter doido :D

ahaha essas pequenas frases...da velhota, ai menino aahahha :D e doia não é? :D

Bela volta, pena não conseguir ver as imagens :D
 

Morg

Well-Known Member
#9
Quando fiz a pre-visualização estava bom.Vamos ver agora no bucket.
Mas aviso já que passei por locais muito mais bonitos mas não tirei foto :)







 

Morg

Well-Known Member
#10
10-11-2013 Vou a Vila Velha

Depois de ter levado a dose do dia anterior não quis amolecer e no domingo fui dar mais uma voltinha.

É sempre uma boa desculpa para ir até às portas de Rodão. Costumo subir ao Castelo do rei Wamba em Vila Velha Rodão e aí comer uma barrita enquanto aprecio as vistas por cima das portas de Rodão e de algumas aves necrófilas que por ali habitam.
Sigo a N3, agora mais movimentada por causa das portagens da A23, até à viragem para N18 em Sarnadas de Rodão. Depois de uns kms a rolar tranquilamente quando começo a descida ao lado da Serrasqueira aparece-me isto:



Visibilidade bastante limitada e um frio que parecia que entrava nos ossos.
Fiz a descida e como o nevoeiro não aliviava tomei a decisão de dar meia volta.
Já que estava ali e não ia a Vila Velha, parei num café à beira da estrada no Coxerro.
Tem um balcão de café mas também tem uma sala que é mercearia e o pagamento faz-se à saída. Então fui ao balcão pedir o café mas para pagar teve que ser à saída onde estava uma idosa encasacada só para receber, calculo a actividade daquela caixa……..
Desta vez foi a senhora da caixa a dizer-me: “não está tempo para bicicletas”. Mais uma razão para voltar para trás. A descida que tinha feito anteriormente soube muito melhor a subir, pelo menos não tinha tanto frio.

Quando me livrei do nevoeiro vi uma placa a indicar Cebolais de Baixo e meti-me por aí. Bom piso e no meio de mata, muito fixe. Segui para Cebolais de Cima, passando pelo Retaxo que nunca imaginei que fosse tão grande. Era hora da missa e era um ver se te avias de devotas a caminho da igreja.
Retomei o mesmo caminho mas ao chegar a Castelo Branco dei uma saltada ao Castelo para poder fazer a subida que tem picos acima de 10%.
Aqui comprovei que o nevoeiro era em todas as zonas baixas, qualquer das direcções que tivesse ido acho que não me livrava dele.



Agora a minha menina.

 

jpacheco

Well-Known Member
#11
Que bela volta Morg... isso foi no domingo certo? acho que estava nevoeiro em todo o lado. Essas voltas na serra são fantásticas... nunca mais é fim de semana para voltar a fazer à estrada :D
 

Morg

Well-Known Member
#14
16-11-2013 Monsaraz

Ainda a aproveitar este tempo sem chuva dei mais umas voltinhas no fim-de-semana.

Sábado saí da minha terra natal, Amareleja. Tive como companheiro o responsável por voltar a fazer estrada depois de ter deixado para fazer exclusivamente BTT há uns 10 anos.
Foi uma voltinha na zona de Monsaraz. Seguimos em direcção a Reguengos, passando ao lado da Granja e Mourão e a ver Monsaraz à direita.
Chegado a Reguengos apanhámos a estrada para Carrapatelo e uma visita a Santo António do Baldio. Subimos a Monsaraz, a única subida digna desse nome.
Desde Março deste ano que não passava por algumas destas estradas, fez-me recordar o granfondo “1ª Rota do Alqueva”.
Foi o primeiro dia com ritmo de pré-época :).
Com tanta conversa no caminho não me lembrei de tirar fotos, por isso deixo aqui uma da net para quem não conhece o local.



http://app.strava.com/activities/95968007
 

Morg

Well-Known Member
#15
17-11-2012 Roxo

Não podia deixar de aproveitar um domingo com este Sol. Estava frio mas o equipamento de inverno trata disso.
Não ia fazer muitos kms e aproveitei para sair mais tarde, cerca das 10H. Deu quase para dormir a manhã na cama. :)
Fiz uma das minhas voltas habituais de que gosto muito.

Saí da Boavista (Beja) em direcção a Ervidel, parando em Santa Vitória para beber o café da praxe.
Costumo escolher os locais mais típicos que encontro para beber o meu cafezinho, normalmente são tabernas com idosos que estão à espera da chegada de alguém para dizerem qualquer coisa. Gosto desta conversa de ocasião e faz-me sentir como se estivesse na minha terra onde toda a gente se conhece.
Neste caso já lá paro há muito tempo e parece que toda a gente me conhece, até me dizem que não tenho aparecido. Chego a passar 1 mês sem passar lá porque as voltas de bicicleta me levam para outras zonas mas quando entro parece que foi ontem. Não sei o nome de nenhum deles e eles não sabem o meu :).

Arranquei depois do café e passei junto a Ervidel, seguindo até ao meu objectivo a barragem do Roxo.



Regresso pelo mesmo caminho a apreciar o belíssimo dia de sol.

http://app.strava.com/activities/95968052
 

Morg

Well-Known Member
#20
Eu apanhei a de Ervidel, passei lá sábado à tarde e domingo de manhã.
No sábado bebi café na feira a meio da voltinha que fiz até ao roxo.