Qual o perfil da Vossas Rodas?

jcca

Well-Known Member
#42
Aros de calço
Par - 58mm (não noto vento lateral carbono) Zipp 404 (Marca e modelo de eleição);
60mm/35mm (T/F) (aproveitar material de mta qualidade o conjunto rola mt bem Carbono/Alumínio) Zipp 60 com cubo 188 (T) e Vision 35 (F) conjunto que rola mt;
35mm/30mm (T/F) - Rodas de combate e de levantar pesos (Vision);
30mm/25mm (T/F) - Fulcrum 3 (Alumínio vinham na KTM surpreenderam-me mt em especial a rolar) peso total da bicicleta 7,100kg por isso ficaram lá.
Aros de disco
45/40mm (T/F) Zipp 303
20mm (pau para todo o terreno) DT Swiss com cubos 240S
 

Bernalve

Well-Known Member
#43
Porquê? Podes elaborar a ideia?
O grande beneficio de ter rodas em aro de carbono não foi ter chegado bikes com travoes de disco? Para quê comprar rodas caras de carbono que se vão estragar com o tempo muito rápido se tivermos travoes de calço? O desgaste, o aquecimento, os aros começam a perder propriededades, rodas perdem qualidade de travagem, entre outras coisas mais marginais se nao acabrem por partir.
Não se vai tirar o máximo proveito delas a meu ver . Acho que nao é um investimwnto que faça sentido neste momento. A tendencia é haver só bikes de disco em 2/3 anos. E quem cá andar por esta altura, vai acabar por comprar. Agora claro que se a bike/rodas só vao fazer 3000km por ano. Assim vai demorar muito sim. Se calhar compensa. Então se é fotografia só. Ok.
 

jcca

Well-Known Member
#44
Tenho de discordar de ti em alguns aspectos:
O grande beneficio de ter rodas em aro de carbono não foi ter chegado bikes com travoes de disco?
Não acho, já existiam aros altos em carbono há mts anos antes dos travões de disco na estrada e em termos de aerodinamismo até perdem um pouco as de disco para não falar das 200g por par a mais.
Para quê comprar rodas caras de carbono que se vão estragar com o tempo muito rápido se tivermos travoes de calço? O desgaste, o aquecimento, os aros começam a perder propriededades, rodas perdem qualidade de travagem, entre outras coisas mais marginais se nao acabrem por partir.
Desta frase só posso concordar com a palavra "caras" de facto cada vez mais para travões de pinça só passa a haver (das marcas conceituadas) duas gamas a Alta e a Baixa e quem tiver bicicletas com este tipo de travões se quiser fazer um upgrade só mesmo gama alta, agora o resto é igual às outras todas e se o uso for o correto, se os calços forem os compatíveis e não os baratuchos (os meus custam 31€ o par), quem não conhece as descidas não pode abusar, mas isso é com qq roda, num dia de calor ao meio dia/14h todos aquecem......
Não se vai tirar o máximo proveito delas a meu ver .
Tira depende do kit de unhas de cada um e do que se quer delas (Exemplos de prós que não são exemplo: O Pogacar ganhou o Tour num dia de chuva com discos e a lombardia sem discos, a Ineos apregoou que não usa discos e foi ao Roubaix de discos).
Acho que nao é um investimwnto que faça sentido neste momento. A tendencia é haver só bikes de disco em 2/3 anos. E quem cá andar por esta altura, vai acabar por comprar.
Percebo a tua opinião e filosofia, mas o ciclodesportista (existem tantos nos grandes grupos de passeio por esse país fora) que se está nas tintas para o que é a ultima moda só quer dar a sua voltinha, o gajo que tem dois dedos de testa e não tem possibilidades financeira de se aventurar a trocar de bicicleta e não empranha pelos ouvidos das bocas dos "Pseudo-Amigos da bicicleta", por alguma razão ainda hoje encontras facilmente correntes e cassetes de 6/7/8/9 V manipulos SIS etc e tal. E ainda existem outros que são os doidos por peso que cada vez mais conseguem fazer montagens mais baratas (pois as de disco são quase o meu ordenado anual), tenho um aqui na minha zona que passa por mim com uma canyon com sram red e umas lightweigth o conjunto é de babar........Sim concordo que se fores comprar novo não terás outra hipótese que não seja o disco, agora o mercado em 2ª mão vai sempre existir e mta malta a andar que não vai trocar por diversas razões (que são as deles, não se eu acho o melhor ou o pior).
Agora claro que se a bike/rodas só vao fazer 3000km por ano. Assim vai demorar muito sim. Se calhar compensa. Então se é fotografia só.
As minhas têm uma média de 6000km/ano (de facto não sou exemplo ainda esta semana alguém me perguntou se não estava contente com a "Baleia" e eu respondi-lhe "porque não tenho andado com ela? é que tenho mtas;) e só andamos juntos de vez em quando) é a que mais uso dou devido às voltas longas nem estas rodas nem as de disco são para ir sempre a travar nas descidas é preciso um gajo encontrar um equilíbrio.

Basicamente se vale ou não o investimento está dependente muito de cada um dos seus objetivos eu falo por mim entre dar uma bicicleta de 7,100kg (durace)+3000€ e ter de comprar um par de rodas de jeito (de disco 1000€) para ficar com uma bicicleta de 8,500kg com ultegra (estou a falar das gamas de 4600€ com DI2 esta foi a proposta da Orbea, a da KTM foi mais interessante até pq traz umas rodas mt melhores, se for para as marcas que a malta paga mais ainda era pior), para mim vale mais investir num par de rodas sai bem mais barato.
 

nmt

Active Member
#46
Também tenho essas e estou contente com elas. Com cerca de 5000 km ainda continuam como novas.
Já levaram muita pancada (buracos / irregularidades da estrada) e continuam impecáveis.
Também as acho resistentes e rígidas.
O peso não compromete, embora podia ser melhor (1690g para perfil 35mm)
Uma dúvida, porque consideras os rolamentos subdimensionados?
Foi a informação que o meu mecânico me passou, e a verdade é que na roda traseira já os tive que substituir duas ou três vezes (as rodas têm 19.000 kms). Em fóruns estrangeiros vê-se algumas queixas dos rolamentos.
 

Negoci8er

Well-Known Member
#47
Foi a informação que o meu mecânico me passou, e a verdade é que na roda traseira já os tive que substituir duas ou três vezes (as rodas têm 19.000 kms). Em fóruns estrangeiros vê-se algumas queixas dos rolamentos.
Com os rolamentos a única queixa que tenho é em relação ao aperto da roda... (mas também ainda só fiz cerca de 5000kms).
Quando tinha uns 2000 kms reapertei o eixo com a chave dinamométrica (20 N.m indicação do fabricante) e ao andar parece que as rodas prendiam.
Durante a volta tive que aliviar o aperto.
Aos cerca de 4000 kms sentia uma ligeira folga no eixo. Até estava a pensar ir à loja ativar a garantia.
Mas, tentei apertar o eixo e voltou a ficar impecável. Ainda não fui aos 20 N.m recomendados.
Dá a sensação que o rolamento ainda se está a ajustar ao eixo (mas não percebo muito disto).;)
De resto, estou a gostar bastante das rodas.
 

bullspot

Well-Known Member
#49
Com os rolamentos a única queixa que tenho é em relação ao aperto da roda... (mas também ainda só fiz cerca de 5000kms).
Quando tinha uns 2000 kms reapertei o eixo com a chave dinamométrica (20 N.m indicação do fabricante) e ao andar parece que as rodas prendiam.
Durante a volta tive que aliviar o aperto.
Aos cerca de 4000 kms sentia uma ligeira folga no eixo. Até estava a pensar ir à loja ativar a garantia.
Mas, tentei apertar o eixo e voltou a ficar impecável. Ainda não fui aos 20 N.m recomendados.
Dá a sensação que o rolamento ainda se está a ajustar ao eixo (mas não percebo muito disto).;)
De resto, estou a gostar bastante das rodas.
Há qualquer coisa na tua explicação que não está bem. Se esse sistema de rolamentos for o que estou a pensar (idêntico ao que tenho nas Zonda), o pré-aperto do cone é feito através de um anel (que até tem um pequeno parafuso de travamento) e só depois é que o eixo é apertado. Se esse ajuste tiver sido bem feito, não é suposto o aperto do eixo travar a roda a ponto de teres que aliviar durante uma volta.
Quando referes "folga no eixo" não estarás a falar de folga nos rolamentos? É que é exactamente aí que entra o tal anel de aperto. Desapertas o eixo do lado oposto à transmissão, ajustas o aperto do cone e depois é que apertas o eixo. Não é suposto andares a apertar/desapertar o eixo para tirar folgas.
 

Negoci8er

Well-Known Member
#50
Há qualquer coisa na tua explicação que não está bem. Se esse sistema de rolamentos for o que estou a pensar (idêntico ao que tenho nas Zonda), o pré-aperto do cone é feito através de um anel (que até tem um pequeno parafuso de travamento) e só depois é que o eixo é apertado. Se esse ajuste tiver sido bem feito, não é suposto o aperto do eixo travar a roda a ponto de teres que aliviar durante uma volta.
Quando referes "folga no eixo" não estarás a falar de folga nos rolamentos? É que é exactamente aí que entra o tal anel de aperto. Desapertas o eixo do lado oposto à transmissão, ajustas o aperto do cone e depois é que apertas o eixo. Não é suposto andares a apertar/desapertar o eixo para tirar folgas.
O aperto é feito por eixo passante em ambas as rodas.
Não mexi do lado oposto, apenas apertei o "eixo passante".

Senti este fenómeno em ambas as rodas.
A sensação que me deu foi que ao apertar o eixo, as laterais da forqueta e do quadro ficaram a fazer pressão no cubo / rolamento.

Quando verifiquei que estavam a ter folga, era uma ligeira oscilação lateral. Ao reapertar ficaram bem novamente e até hoje.
Mas como referi não percebo muito de cubos. ;)
 

bullspot

Well-Known Member
#51
O aperto é feito por eixo passante em ambas as rodas.
Não mexi do lado oposto, apenas apertei o "eixo passante".

Senti este fenómeno em ambas as rodas.
A sensação que me deu foi que ao apertar o eixo, as laterais da forqueta e do quadro ficaram a fazer pressão no cubo / rolamento.

Quando verifiquei que estavam a ter folga, era uma ligeira oscilação lateral. Ao reapertar ficaram bem novamente e até hoje.
Mas como referi não percebo muito de cubos. ;)
Ah ok, referias-te ao eixo passante :) Pensei que estivesses a falar do eixo central do cubo.
Em todo o caso, com a roda fora não deves poder sentir folgas no cubo e tem que rolar sem atrito.
 
#54
Mas é um perigo porque não trava o suficiente ou é um perigo porque escorrega? É que se for a segunda hipótese, os travões de disco não vão resolver, pode até ser necessário maior cuidado por bloquearem com mais facilidade.
A maior vantagem dos discos é não perderem eficiência de travagem sob chuva, tirando isso o travão de calço é mais do que suficiente (pelo menos dos que tenho usado nunca senti falta de poder de travagem).
Estava mesmo a referir ao facto de que com chuva, a travagem fica bastante comprometida e como não gosto de andar a chhuva não vou ganhando grande experiencia nestas condições climatéricas. Dai passar para discos ser uma opção a ser realizada a médio prazo, quando isto dos preços e disponibilidades acalmar.

A titulo de exemplo, mais uma razão pela qual vou fazer a mudança. Segurança. Fiz o GF da Lousã este FDS e infelizmente deu para chover durante a prova :mad:, foi sempre a medo. Na descida final então era todos a passar por mim. Não consigo ganhar grande velocidade pois o tempo de travagem também aumenta drasticamente e não conhecendo as descidas, uma curva mal feita, ou apanho um carro de frente ou vou pela valeta abaixo.
 
#55
Quanto a isso só mesmo praticando, até porque a travagem melhora com discos, as derrapagens são mais frequentes, mas o piso é o mesmo
Acho que até hoje e por culpa da chuva, foi só uma borradela na pintura, mas em grande parte foi falta de unhas para a guitarra
 

bullspot

Well-Known Member
#56
Quanto a isso só mesmo praticando, até porque a travagem melhora com discos, as derrapagens são mais frequentes, mas o piso é o mesmo
Acho que até hoje e por culpa da chuva, foi só uma borradela na pintura, mas em grande parte foi falta de unhas para a guitarra
Kit de unhas e o facto de não ser comum para nós em Portugal andarmos com pneus de chuva. Falo por mim mas não devo ser caso único.
 

Bernalve

Well-Known Member
#57
Estava mesmo a referir ao facto de que com chuva, a travagem fica bastante comprometida e como não gosto de andar a chhuva não vou ganhando grande experiencia nestas condições climatéricas. Dai passar para discos ser uma opção a ser realizada a médio prazo, quando isto dos preços e disponibilidades acalmar.

A titulo de exemplo, mais uma razão pela qual vou fazer a mudança. Segurança. Fiz o GF da Lousã este FDS e infelizmente deu para chover durante a prova :mad:, foi sempre a medo. Na descida final então era todos a passar por mim. Não consigo ganhar grande velocidade pois o tempo de travagem também aumenta drasticamente e não conhecendo as descidas, uma curva mal feita, ou apanho um carro de frente ou vou pela valeta abaixo.
Também lá tive. E sinceramente acho que para descer melhor é mesmo uma questao de largar o travao e arriscar. O disco trava melhor obvio. Mas sem discos ou com disco, o importante é sabernos descer bem.
E claro bons pneus. Tenho os 5000 , usei por volta de 4 bar a frente e tras. Portaram-se lindamente. Nenhuma escorregade-la. E eu na ultima descida arrisquei bastante.
 
#58
Também lá tive. E sinceramente acho que para descer melhor é mesmo uma questao de largar o travao e arriscar. O disco trava melhor obvio. Mas sem discos ou com disco, o importante é sabernos descer bem.
E claro bons pneus. Tenho os 5000 , usei por volta de 4 bar a frente e tras. Portaram-se lindamente. Nenhuma escorregade-la. E eu na ultima descida arrisquei bastante.
Eu em seco arrisco QB, mas em molhado nem pensar. Se conheço a estrada até posso esticar um pouco a corda, mas neste caso do GF da Lousã estava a receita completa para dar asneira (curvas desconhecidas/estrada molhada/pedras,castanhas,paus/estrada levantada das arvores/carros na estrada). No fim, segunda-feira era dia de ir ganhar para o pão e isto é só o meu hobbie.

Estou também a usar o GP5000 na traseira e só rezo para que nunca fure :eek: foi uma trabalheira para o meter na roda, só o espero voltar a tirar quando ficar todo gasto o_O mas a nível de conforto, é outro campeonato. Parece que tenho amortecedor na roda traseira. Mesma calibragem que o Mavic yksium de origem, mas que era muito rijo (agora consigo perceber a diferença entre entrada de gama e alta gama :cool:). Para já 500km de muita satisfação com o pneu.
 

NULL

Moderador
Staff member
#59
Também lá tive. E sinceramente acho que para descer melhor é mesmo uma questao de largar o travao e arriscar. O disco trava melhor obvio. Mas sem discos ou com disco, o importante é sabernos descer bem.
E claro bons pneus. Tenho os 5000 , usei por volta de 4 bar a frente e tras. Portaram-se lindamente. Nenhuma escorregade-la. E eu na ultima descida arrisquei bastante.
Fizeste grande prova!!

Pelo que soube houve várias quedas, e tu, tendo em conta o teu peso, para te manteres na frente deves ter arriscado bastante a descer... A descer e a rolar era onde os teus "adversários" te podiam apertar... se não conseguiram foi porque tu estiveste top!

Parabéns pela performance.