Desafio Audace FPCUB "Ericeira XXI - reserva mundial surf" - Ericeira - 02 Out. 2011

#1


E mais um desafio audace e um objectivo alcançado. A partir de Torres Vedras fiz o percurso sozinha e pode-se dizer que me safei bem. Aproveitei cada quilometro do percurso para absorver tudo e depois recordar com riqueza de detalhes (não conhecia aquela zona lindíssima, com excepção de Mafra e do Sobreiro). Adorei participar num desafio em o que facto de não conhecer o caminho já era um desafio: enfrentar o desconhecido a cada curva, a cada descida, enganar-me e perguntar e ser enganada e voltar para trás, pedalar contra o vento várias dezenas de quilómetros, ter mais de 100kms nas pernas e quando pensava que já tinha despachado as subidas mais difíceis, aparecer-me pela frente uma parede pior que as anteriores...uiii e ter uma fila de carros com as pessoas curiosas a apostar que eu não conseguia subir...foi uma experiência maravilhosa, um treino muito bom, a minha bicicleta a portou-se lindamente e desta vez dei um pontapé no homem da marreta que espreitou no fim na última subida da Ericeira

Zero furos e zero quedas e uma média vergonhosa de 143km em 6h52 (pelo menos desta vez não fui a última)

Nota: Quando já tinha desistido de participar neste desafio, tive a ajuda preciosa da Turtle que me deu as orientações que desconhecia e a quem agradeço.
 
#3
@fonsecarlos
Obrigada
Esta medalha foi conquistada com muita luta. Mas esta foi a forma como encarei o desafio:superar-me, testar as minhas capacidades físicas, sabendo que não ia contar com nenhum apoio, que não vinha com equipa, lutar contra o imprevisto, chegar ao fim e saborear esta imensa satisfação.
De certeza que para uns foi só um passeio no parque e fizeram o percurso sem sofrimento; muitos tinham como objectivo chegar entre os primeiros e devoraram quilómetros à velocidade da luz enquanto que outros, não dosearam bem o esforço e chegaram ao fim no seu limiar...Não entrei em campeonatos e, segui viagem com a tranquilidade do costume, aproveitando para desfrutar do passeio.

De certeza que haverá muitas histórias para contar deste Audace, num dia que parecia de Verão
 
#4
Parabéns angel@ por ter sabido gerir o esforço e sobretudo pela enorme força de vontade em estar presente.
Agora, para colocar a cereja do topo do bolo, não pode faltar na Ota (Montejunto)!
 
#5
Não entrei em campeonatos e, segui viagem com a tranquilidade do costume, aproveitando para desfrutar do passeio.
Partilhamos da mesma filosofia:), parti ligeiramente atrasado (esqueci-me de ligar o IPhone com a aplicação do Strava para gravar o percurso...) e cedo coloquei o meu ritmo e apesar de não conseguir acompanhar a malta da frente ao fim de 50km tinha feito média um pouco abaixo dos 27km/hora, deixando mesmo muita gente para trás e a principal dificuldade já estava ultrapassada, apenas fiz 92km dos 142 previstos mas acabei relativamente "Fresco" e com a sensação que com um pouco de esforço poderia ter feito o trajecto completo.
Não trouxe o "autocolante" nem a medalha para casa mas fica a recordação registada através de algumas fotos e um pequeno video de mais uma manhã bem passada e em boa companhia.

Estou desejoso que o "pai natal" me traga o GPS para encarar estas aventuras ao meu ritmo e sem stress de ter que andar colado na roda de alguém só para não me perder!

Já agora obrigado pela companhia do Casimiro e do Telmo este ultimo serviu de guia turistico na zona do Vimeiro/Santa Cruz, bendita a hora em que parámos nas termas para atestar os bidons com o calor que se fez sentir se a água faltasse ia ser problema!!
 
#6
@Figueiredo
Há uma grande diferença entre fazer 90 ou 140 kms e o Luis sabe disso muito bem.
Para se fazer 90/100 kms até se pode dar o litro que não há grande problema. A partir do 100 é que se paga a factura e ontem tive disso a prova dos 9.
Posso dizer-lhe que chguei a Peniche com média de 27,3. Ainda lá estavam o Helder, Hugo e Eduardo, mas prontos para arrancar.
O meu erro foi carimbar o papel, comer uma pera, beber um pouco de água, tudo à pressa para poder regressar com eles.
Eu arranquei com eles, onde estava também a equipa da carris e mais 2/3 elementos. Consegui manter-me no TGV até ao Seixal (98 kms, com média ainda superior à chegada a Penhice), mas tive que ceder.
Depois, uns kms sozinho, outros na companhia de um outro ciclista, tão cansados como eu, desidratados como eu, e finalmente as câimbrias que me obrigaram a fazer as últimas 3/4 subidas com a bike à mão, e em plano só conseguia pedalar com o pé esquerdo e com a perna direita esticada. Que grande geito me deram os sapatos de btt!
Resultado, a média baixou para 22,3 kms em 6H20.
 
#7
@ Amigo Delta

Mas o segredo acho que está aí devemos conhecer o nosso corpo e saber até onde dá para ir independentemente do que a cabeça ás vezes nos impele para fazer.
Ao chegar ao primeiro ponto de controle a malta já estava a arrancar e houve alguns companheiros que se apressaram a seguir na roda, (vontade não me faltou de tentar seguir na roda do Eduardo, do Helder e do Hugo, mas reconheço que ía ser suicidio...)em vez disso optei por beber um gelzito e um pouco de água nas calmas respirei fundo para recuperar daqueles primeiros 15 a 20 km demolidores e só depois me fiz á estrada é certo que não ía fazer o percurso na totalidade e pude dar-me ao luxo de esticar mais um pouco, mas até Torres foi só vê-los ficarem para trás...e eu a descer até sou um "nabo".

Sei que se fizesse os 140km iria sofrer que nem um desalmado para chegar ao fim, mas mantendo um ritmo certo mesmo sózinho em vez de tentar seguir na roda acho que seria a melhor opção, eu pelo menos dou-me melhor assim... para seguir na roda de alguém tenho que estar confortável!

Abraço e espero que já tenha recuperado convenientemente!
 
#8
Aqui está
Gostei imenso desta frase, e só prova que por vezes só não vamos mais além por talvez haja receio.
No texto do amigo figueiredo.

>>>> e cedo coloquei o meu ritmo e apesar de não conseguir acompanhar a malta da frente ao fim de 50km tinha feito média um pouco abaixo dos 27km/hora, deixando mesmo muita gente para trás e a principal dificuldade já estava ultrapassada, apenas fiz 92km dos 142 previstos mas acabei relativamente "Fresco" e com a sensação que com um pouco de esforço poderia ter feito o trajecto completo.<<<<


Agora não me venhas cá com a teoria da batata, mais blabalbalbalabala mais isto e mais aquilo e mais aqueloutro , não me venhas com histórias da carochinha que eu já sou grande,ok

Vá figueiredo bons treino
 
#9
Vou aqui dizer algumas verdades ou asneiras conforme o ponto de vista de cada um.
Para fazer os tais 140kms ou mais há que ter um pouco mais de atenção, do que fazer 70 ou 80.

Aqui vai:

De inicio comeram um bom pequeno-almoço / >> muitos deles talvez não.
Beber isotónico com regularidade, e tambem agua / > muitos talvez só levaram água.
Comer durante o trajecto com regularidade, barras ou afim / > muitos talvez só levaram 1 ou 2 bananas.
Durante o 140km beberam alguns Gel / > isso dos Gel é só par os que fazem corridas, ou talvez não.

Se não levarem está coisas é muito certo que durante o trajecto o corpo começa a sentir a partir dos tais 70ou 80kms.


xau
 
#10
Sei que bebi e comi pouco.

Pequeno almoço: 1 copo de leite com nesquick + 1 fatia de pão com marmelada.

Bebi 1 Isortar + 1 garrafita de água.
Comi 1 banana no início + 2 peras, 1 barrita isotar + 1 barrita de chocolate.

Gel? nunca experimentei. Talvez na próxima...

Pelo menos água teria bebido mais se houvesse. Com o calor que esteve e o tempo a pedalar, deveria ter bebido muito mais.

Sei que quem organiza o audace não tem apoios e não cobrando qualquer valor de participação, não podem fazer milagres. No entanto, no audace de Alpiraça, houve água, sumos, broas de mel e água à discrição em 3 pontos de apoio. No fim ainda deram 5 sumos a cada pessoa!

Para quem participou no audace de Alpiarça, foi o meu caso, estaria à espera de ter melhor apoio no audace da Ericeira. De Peniche à Ericeira, não houve ninguém a dar uma garrafita de água! Por outro lado, cafés nem vê-los!
 
#11
Amigo Manuel,

Somos todos diferentes mas para ter uma ideia eu fiz menos 50km e bebi 4 bidons agua, 1 gel, 1 pacote bolacha Maria, 1 barra de cereais e ainda 1 cubo de marmelada... e ao pequeno almoço 2 torradas com mel, 1 banana, 1 copo de leite e um café!

Um carro por muito afinadinho que tenha o motor, não anda sem gasolina...
 
#12
Pensando melhor, acho que a alimentação teve mesmo um papel importante: porque ao contrário do passeio que fiz a Fatima, com o mesmo número de quilometros (em que cheguei ao esgotamento), desta vez caprichei na hidratação e na alimentação. A estalagem onde pernoitei oferecia um excelente pequeno almoço:muesli integral com iogurte, tâmaras e ameixas secas, fruta fresca, sumos, pãezinhos e bolo caseiro...enfim, um banquete(vou guardar o nr de telefone) :)...a partir dos 70kms ja tinha queimado tudo e, aí comecei a beber de 20 em 20 kms, bebidas isotónicas. Em Peniche, senti imensa sede e depois, entre Maceira e Ericeira foram 2 pacotes de gel e água, devido ao calor intenso. Manter algum sentido de humor ajuda bastante, porque a certa altura quando as pernas começam a fraquejar, convém ter reservas de força psicológica..para pelo menos não perder o controlo da bicicleta :), conservar os reflexos e evitar distrações.
 
#13
ATENÇAO.

Eu só escrevi isto com o intuito de alertar certo pessoal que muitas das vezes metesse em cima da bike e esquece de hidratação e alimentação.

Não me dirigi a minguem em concreto mas sei que muito pessoal não têm a hidratação e alimentação em mente.


Angel@ é isto mesmo:
>> pequeno almoço: muesli integral com iogurte, tâmaras e ameixas secas, fruta fresca, sumos, pãezinhos e bolo caseiro...enfim,

So acho que o 70 kms ja é de mais para o inicio hidratação e alimentação.

E ter sempre o psicológico sempre em alta.

E domingo lá estarei para fazer o Ota / Montejunto / Ota
 
#15
@fonsecarlos
Se está a referir-se à minha bicicleta, não é Allez..é uma Ruby. Ontem de facto, levei a bicicleta à oficina, porque ficou com a roda traseira presa, à chegada à Ericeira, quando passava no empedrado e, de resto eram mesmo só umas mariquices minhas com a "princesa", porque ela fez os 143kms sem me dar problemas.
Se me viu e reconheceu-me podia ao menos ter levantado o braço a cumprimentar-me...porque normalmente, eu tenho dificuldade em reconhecer os companheiros de estrada, sem óculos e capacete :)
cumprimentos
 
#16
Eu sou um nabo a andar de bike, mas gosto das longas distancias.
Levo sempre um bidom de agua e outro de isostar.
tento beber um litro de agua por cada hora e levo uma barrita ou gel para cada hora de treino.
O andamento é fraco e o empeno é grande.
Quando vou com o meu companheiro dos empenos(Helder) metemos uma cerveja preta com coca-cola , não sei se resulta mas sabe bem.
Boas pedaladas e boa alimentação. Eduardo
O Audace correu bem para mim a media não sei (talvez baixa) mas cheguei ao fim em boas condições
 
#17
Pois, já vi que o pessoal se trata bem. Tenho que passar a ter mais atenção ao "motor".

Eduardo, isso de 1 litro de água/hora é mesmo verdade? É que eu não vi chafarizes em lado nenhum!
Assim, estão explicadas as tantas paragens para verter líquidos.
 
#18
@Delta é verdade ou pelo menos tento.
Já pos esse problema a um pessoa com alguns conhecimentos e disse que é normal, os liquidos são expulsos pelo suor ou então pelas paragens tecnicas.
Mas há ciclistas que não conseguem verter liquidos,porque o selim faz pressão no sitio errado.
É assim +- não te consigo explicar bem mas informa-te com alguem que
tenha esses conhecimentos.
 
#19
Assim, estão explicadas as tantas paragens para verter líquidos.
Somos todos diferentes lembra-se da Etapa da Volta este ano ingeri 6 bidons de água em 80 e tal km devido ao calor e não senti necessidade de "Verter liquidos" possivelmente foi tudo através do suor...

Provavelmente o seu organismo já está de tal forma habituado ás voltas de 90/100km que habitualmente faz que não sente necessidade de mais, mas asssim que tentou ultrapassar o limite e não compensou com a hidratação e alimentação adequadas queixou-se, as caimbras são disso resultado!
 
#20
Ângela

É verdade sem oculos e capacete não parecemos os mesmos:D

Eu vi-a a distância quando estava eu a descer pelas escadas rolantes e a Ângela e encaminhar-se para entrar no elevador no lado oposto.

Terei todo o gosto em cumprimenta-la quando nos cruzarmos com mais proximidade.

E já agora, para quando uma volta com o(s) grupo(s) que sai(em) de Corroios?


Editado: As minhas desculpas pela troca do modelo da "princesa".