Artigo de opinião - Keep the golf out of cycling!!

#1
Enquanto alguns ainda discutem o fenómeno "Cycling is the golf" outros discutem as suas consequências:


"In recent times, the perception of cycling has changed. You see more “pretty” cycling kits sold for a hefty $500 and the matching socks for $50. You can easily spend five figures on a bike.

Cycling has become a status symbol. A new golf, according to a regular flow of articles in the mainstream media.

As a passionate cyclist, I should be happy about that. More interest and attention on cycling. Is there something bad about that? Well, I think there is.

Don’t get me wrong, it is awesome to see greater interest in the sport – but the problem is the change of perception.

There have always been unwritten rules in regards to what to wear, how the colour of your bar tape has to match your seat and about what bike you ride. But at the end of the day, it really didn’t matter how much your bike was worth because the enjoyment of the sport, the company of your friends and the accomplishment through your legs overruled any blatant materialism.

But it seems, there is a new trend creeping in.

The capitalism-induced search for a new status symbol has changed the reason why people ride bikes. Cycling has become pretty, elitist, materialistic with a seemingly insurmountable wall to be climbed to be accepted into a group. Until then, you will be shamelessly ignored as a hubbard or fred.

That scares me.

What's happening to my friendly community?

Having moved around the world with my bike, I could always trust a welcoming cycling community.

I could show up to any group ride and by the end of the ride while chatting over coffee, I was invited to the next ride, to the next adventure and to the next opportunity to meet new cycling friends. We shared the same passion for cycling. That was enough to be accepted into a group of cyclists.

But in recent times, instead of this welcoming cycling community, there are many times I have come across arrogance, ignorance and close-mindedness when trying to take part in new rides. Instead of the encouragement to join, people tried to spit me out of the back leaving me with comments that were a clear message: “We are a closed group of friends. You are not invited!” This seems a pretty bizarre way to behave on a publicly advertised ride or shop group.

There seems to be no interest in letting others into the group, especially if there is any potential that it would lower their status. It does not matter what your legs can do as long as your bike is reflecting its preciousness while waiting at the traffic lights. Interestingly, cycling used to be a poor-man’s sport, a way for the underprivileged to climb, literally, out of poverty.

Even worse, my experience is that those self-proclaimed “cyclists” are usually the ones that shed bad light on the sport – displaying arrogance, poor cycling skills, and disrespect to other road participants.

There is nothing wrong with owning the best equipment and riding in the most stylish cycling kit. But you shouldn't have to buy your way into cycling group credibility and showing off fancy gear shouldn't be the main reason to ride a bike. There are so many more meaningful reasons for getting that expensive bike dirty and that stylish kit sweaty.

Let’s make cycling what it should be – a sport you do for pure enjoyment as you revel in the wind in your face, the endorphin kick from going fast, the new friendships, the rewarding coffee afterwards and the accomplishment of success.

Next time we see someone who is not aware of (or just doesn't care about) the many unwritten rules within the cycling scene – instead of ignoring them or labelling them – let’s be friendly and celebrate their decision to join our beautiful sport!"

in http://veloclub.cyclingtips.com/blogs/entry/34-keep-the-golf-out-of-cycling/
 
#5
concordo mais ou menos.
mas soa um bocadinho áquele género de conversa "ah e tal como nós andavamos e usufruíamos da bike é que era bom, agora este pessoal só quer saber do material e da roupa, e nem convive etc e tal"
mas não acho bem julgar-se o livro pela capa. tanto conheço o gajo que vai fazer 200km de calças de ganga e camisa como o gajo que faz os mesmo 200 todo artilhado e vestido a rigor e dei-me bem com ambos os espécimes, no final falámos de tudo menos do material... e bebemos um café :cool:, isto não é uma figura de estilo é mesmo verdade, conheci estas pessoas...

já andei por outras paragens e há sempre essas pessoas, assim como o oposto, e quando as coisas se tornam moda aí então é o descalabro de pessoal a comprar cenas só porque sim e a exibir.
andei num fórum de fotografia e havia pessoal com dinheiro a cair dos bolsos e compravam Canons 5D para fotografar os gatos e eram altamente ostensivos com o material que tinham e descuravam o mais importante, as fotos.
E depois havia do outro lado o pessoal que achava que era mais iluminado e que tinha mais propriedade para discutir fotografia e faziam este género de crítica....
On connait la chanson :cool:

O mais importante no fim do dia é o que nós fazemos... é como eu penso.
 
#6
A paciência há muito que se esgotou para este tipo de reflexões e para andar preocupado com o que os outros pensam ou deixam de pensar. Como em tudo na vida, também no ciclismo encontramos pessoas, tendências e manias para todos os gostos e feitios. Respeitar para se respeitado, é uma máxima que gosto de pôr em prática. Borrifar-me por completo para o que os outros pensam ou deixam de pensar também é outra máxima que já está intrínseca por defeito :)
 

Knox

Active Member
#7
É normal quando as coisas começam a ser moda começam a aparecer tipo de coisas, e de facto vê-se muitos com grandes máquinas só para dar uma volta ao Domingo e para irem mostrar ao café. Para mim o que me interessa é andar e quilómetros para cima seja com que bicicleta for, claro que é motivador ter uma bela máquina e bons equipamentos, mas disso nada serve se é só para mostrar armado em bom. Ainda nem á muito ainda levei com uma piada de andar com bicicleta de alumínio, "ah e tal isso é pesado e já é antiga e tal" no qual respondi logo a seguir "ter carbono é bom, mas se não tiver pernas nada vale ter o melhor material, sem treino e dedicação nada se faz...a bicicleta não é tudo". Percebe-se logo quem anda nisto por gosto e quem anda só para andar a ostentar grandes máquinas, em todo o lado há gente assim que só vai atrás do que está na moda.
 
#9
Uma coisa que me faz confusão e que me parece ser uma praga crescente é a falta de educação, a sobranceria. Um tipo vai na sua, passa por um ciclista ou um grupo deles, fica tudo a olhar uns para os outros e 90% das vezes nem um acenar de cabeça, nem um levantar de dedos, muito menos um "bom dia" ao ultrapassar ou ser ultrapassado. E se calha de ser uma vez nessas 90% e somos nós quem diz algo, ainda fica(m) com aquele ar de confuso, como se estivesse a ser vítima de assédio ou algo do género.
Já parar de olhar (quase sempre a fazer o scan do material a começar nas rodas e a acabar no capacete) isso nem que se atravesse um camião à frente.
 

Bruso

Well-Known Member
#10
Como em tudo na vida há várias abordagens a um determinado assunto. No caso do ciclismo tem se notado uma crescente preocupação com a parte estética muito devido às marcas que com o seu marketing agressivo, aliadas a revistas da especialidade aos montes, tem criado esse sentimento nos ciclistas mas que também têm trazido muita gente para a estrada.

Quanto à parte da educação não é de estranhar tenho em conta a sociedade que vivemos atualmente. O que o autor escreve não é mais que uma análise social actual, falando apenas no caso específico dos ciclistas porque é o mundo que está envolvido. Podes fazer a mesma análise para o futebol. Hoje em dia se apareces num campo sozinho não te deixam jogar porque já têm equipas feitas.

Para finalizar eu sou daqueles que cumprimenta sempre os ciclistas que passam por mim, nem que seja com um abanão de cabeça (e olhem que quando ando ao fim de semana são às centenas - Agora que penso nisto, as dores de pescoço no final das voltas não se devem ao Bike fit então ahahahah)
 

cou7inho

Well-Known Member
#11
O ciclismo tem vindo a ganhar importância ao longo destes anos e é normal que a procura por um equipamento mais XPTO seja mais comum. Além disso o marketing das empresas também ajuda á procura desses mesmos equipamentos pois segundo essas empresas se não tens o equipamento A ou B já não estás apto para ir dar umas voltas de bicicleta. Agora verdade seja dita, há muita gente que compra uma bicicleta de 2500/3000€ ou até mais para ir dar uma volta pela freguesia ao domingo. É quase como comprares um Ferrari mas tens medo de passar os 120 na autoestrada. Quem tem essas bicicletas gosta de mostrar que tem independentemente de ter pernas para ela ou não. Eu por exemplo, tenho andado muito empenhado nos meus treininhos e nas minhas voltas (não é nada de profissional mas gosto de o fazer) e no entanto ando a usar a minha bicicleta de montanha porque ainda nãp tenho uma de estrada. E estou a pensar comprar uma de estrada e provavelmente será uma da Decathlon que custa 800€. Não é uma Specialized ou uma Pinarello? Não, não é mas é uma bicicleta boa para o que eu quero. É claro que toda a gente gostava de ter uma bicicleta de 5000€ mas para que? Para dar uma volta ao domingo e dizer que a temos? Não, para isso mais vale ficar com o dinheiro no bolso. Quanto ao facto da "arrogância"dos ciclistas para com os outros ciclistas não posso falar porque sempre que sou ultrapassado por um ciclista ou sempre que passo por outro tenho tendência a dizer um "bom dia" e a dar um sorriso. Mesmo que vá para a estrada com o espirito de ir treinar a fundo a boa disposição não pode faltar.
 
#12
Acho muito bem que algum material seja vendido a preços elevados e que existam clientes que gastam
bastante.
Material caro, preços elevados e boas margens permitem dinamismo na inovação.
No fundo cada um deve encontrar o equilíbrio, entre o que pode aspirar e a realidade.
 
#13
Pelo menos aqui na zona onde ando não sofremos desse problema, cumprimento todos os ciclistas com que me cruzo, seja de bike de estrada ou BTT e por norma obtenho resposta.

Somente este fim de semana achei uma situação caricata com um novo tipo de ciclista, ia eu em Sintra e sinto uma bike atrás de mim, era um gajo de BTT, mas eléctrica, nem um ai nem um ui nada, apanhamos um bocado de transito e o gajo passou, mais à frente volto a passar pelo gajo e digo bom dia, o gajo nem respondeu.

Não sei se por vergonha de ir de bike eléctrica, se por se achar o maior pelo mesmo motivo... no entanto achei curioso a atitude.
 
#14
Acho muito bem que algum material seja vendido a preços elevados e que existam clientes que gastam
bastante.
Material caro, preços elevados e boas margens permitem dinamismo na inovação.
No fundo cada um deve encontrar o equilíbrio, entre o que pode aspirar e a realidade.
Opinião lixada...

Mas a verdade é que muitas lojas de bicicletas sobrevivem porque há este equipamento de marca. Porque para quem não quer marcas, a Decathlon e a SportZone têm tudo o que o comum mortal procura.

Quanto ao texto, concordo e discordo.

Discordo, porque ele está à espera que outras pessoas se comportem como ele acha que está bem, qual Kim Jong Il, as pessoas comportam-se como quiserem, é a lei da selva, as decisões de cada um terão as respectivas consequências. E está com nostalgia (antigamente é que era bom).

Concordo com haver muita aparência hoje em dia no ciclismo. Mas isso é devido à influência de marcas americanas e da globalização, e menos das Francesas e Italianas. Marcas americanas são basicamente marcas de design, elas não produzem a maioria dos produtos (fora os quadros das topo de gama), simplesmente encomendam na China a produção dos produtos, basicamente desenham, e depois distribuem. O comércio online também prega das suas, e se antigamente ias comprar uns sapatos, e compravas um que a loja te vendesse, hoje em dia, vais à net, e arranjas uns a condizer com a cor das fitas, a condizer com a cor do selim, etc. está tudo à distância de um clique (literalmente), e tens mais opções, aos mais variados preços. Ou seja, deixou de ser um mercado de nicho.