Pág 2 de 3 PrimeiroPrimeiro 123 ÚltimoÚltimo
Mostrar resultados 11 a 20 de 30

Tópico: Joaquim Agostinho - O Melhor

  1. #11

    Predefinido

    Documentário espectacular, obrigado por partilhares! Grande homem, Joaquim Agostinho!

  2. #12
    Nem sabe o que é uma bicicleta Avatar de SPETTACOLO
    Registo
    07-07-2010
    Local
    Fundão
    Posts
    24

    Predefinido

    Muito porreiro o documentário!!!

    É sem duvida uma grande referencia para todos os q pedalam =)

  3. #13
    Sempre a subir! Avatar de MFMS
    Registo
    19-08-2012
    Local
    Serra Arada |Serra Freita
    Posts
    733

    Predefinido

    O melhor ciclista português de sempre faria hoje 70 anos!

    "Não penso ir longe...não tenho muita experiência..." - Joaquim Agostinho (resposta a um jornalista sobre a volta a Portugal)



    A RTP fez mesmo agora reportagem no Telejornal.

    Este domingo, 7 de Abril, comemoram-se os 70 anos do nascimento de Joaquim Agostinho, o melhor ciclista português de todos os tempos e um dos grandes nomes da história do Sporting Clube de Portugal.
    Agostinho foi campeão de Portugal seis anos consecutivos, entre 1968 e 1973, venceu a Volta a Portugal de 1970 a 1972 e correu a Volta a França por 13 vezes, chegando a ganhar a mítica etapa Alp d'Huez, em 1979.

    Em Maio de 1984 faleceu de forma trágica, depois de ter estado dez dias em coma, na sequência de uma queda fatal na Volta ao Algarve, provocada após um choque com um cão.

    Artur Moreira Lopes, presidente honorário da Federação Portuguesa de Ciclismo, conviveu com essa grande figura da história do Sporting e recorda-o como um desportista de excepção e uma pessoa fantástica.

    “Joaquim Agostinho foi o melhor ciclista português de todos os tempos. E para além dessa sua dimensão como atleta, era uma das figuras mais simpáticas do pelotão. Todos os corredores do seu tempo eram unânimes nos elogios que lhe teciam”, refere.

    Artur Moreira Lopes sublinha “a sua lealdade extrema e as enormes qualidades humanas, pois estava sempre pronto para ajudar os outros, fossem colegas de equipa ou adversários”. Por isso, “era muito respeitado por todos, desde as figuras mais importantes das instituições até aos mecânicos”.

    O vice-presidente da UCI (União de Ciclismo Internacional) lamenta o trágico falecimento de Agostinho, ocorrido a 10 de Maio de 1984, 10 dias depois da queda que sofreu numa etapa da Volta ao Algarve.

    “É inconcebível que tenha morrido daquela forma, tão jovem [41 anos]! Ainda por cima uma queda provocada por um cão, ele que tantas vezes levava esses animais para casa…Curiosamente nesse dia horrível ele até envergava a camisola amarela”, recorda.

    Artur Moreira Lopes esteve presente no funeral desta figura mítica do Sporting e lembra-se bem do ambiente vivido. “Posso dizer que quando o seu corpo chegou ao Estádio José Alvalade, a cauda do cortejo fúnebre tinha acabado de sair da Basílica da Estrela. Era uma multidão de milhares e milhares de pessoas, que quiseram prestar-lhe uma última homenagem”, lembra.

    O presidente honorário da Federação Portuguesa de Ciclismo coloca Joaquim Agostinho “ao nível dos melhores desportistas de sempre em Portugal, como Carlos Lopes, Eusébio, Figo e Cristiano Ronaldo”. Razões para tal sucesso? “Para ele, andar de bicicleta era como beber um copo de água. E ele só começou a correr com 23 ou 24 anos… Era um sobredotado, uma força da natureza!”

    In: SCP

  4. #14
    Já se equilibra aos poucos
    Registo
    18-12-2011
    Posts
    41

    Predefinido

    Falar de Joaquim Agostinho é falar de um dos maiores desportistas de sempre do desporto português e de alguém que simbolizava a natureza do ser português com humildade, frontalidade e um talento enorme que segundo dizem nunca aproveitou muito bem. Dotado de capacidades muito acima da média, começou muito tarde na modalidade o que fazia com que a sua execução e rentabilidade não fosse a melhor. Contam os que com ele começaram, que no inicio andava muito mal de bicicleta.Estreou-se na Volta à França em 1969 vencendo logo 2 etapas...imaginar isto nos dias atuais, seria a TV a dar ênfase a estes feitos, dias e dias seguidos. Para além disto venceu no total 5 etapas no Tour e ficou 14 vezes nos 3 primeiros em etapas. Em 13 participações ficou "apenas" 9 vezes nos 10 primeiros (dois 3 lugares, dois 5º, um 6º, três 8º e um 10º)...Considero isto impressionante. Na Vuelta de 1974, ganhou 2 etapas e ficou em segundo lugar na geral, para depois lhe "roubarem" tempo no contra-relógio final onde ganhou tempo a Ocana e José Manuel Fuente. Consta que os jornalistas espanhóis lhe atribuíram a vitória, que depois nas contas acabou por ficar em segundo a 11 segundos de Fuente o vencedor...era o ano do 25 de Abril e aos "bons" dos espanhóis não lhes convinha que Agostinho "um grande português" ganhasse....até porque era o CICLISTA DO POVO PORTUGUÊS. Na sua humildade afirmou nesse dia que talvez tivesse perdido a Vuelta nos últimos metros. Por cá, há a registar os 18 dias de amarelo em 1972 em que venceu 5 etapas e a famosa fuga de 200 Km na etapa de Abrantes para a Figueira da Foz em que fez um contra relógio durante aquela distancia e em que Fernando Mendes e Manzaneque ficaram nesta etapa a 13.28 ?? Curiosamente nesta Volta a Portugal, acusou Ritaline e a volta foi para o espanhol Manzaneque. Histórias há muitas e descrevo esta do livro que faz a sua biografia, quando em 1970 na etapa para Mulhouse se lançou com toda a sua alma, numa descida e apanhou um dinamarques que ia todo empenado e a quem Agostinho rebocou...na parte final o dinamarquês enganou-o porque queria oferecer a vitória á namorada que era miss. Por cá organizavam-se grupos de pessoas para o ir ver na Volta...foi um enorme fenómeno popular por aquilo que representava para o povo português, então oprimido pela ditadura. O estádio de Alvalade encheu em 1969 para saudar a sua 1ª vitória na V. Portugal. Confesso que a modalidade se tem esquecido de lembrar este "monstro" como ele merecia....sendo jovem, nessa altura lembro-me do impacto que tinha nas pessoas e que certamente terá tido na modalidade. Hoje seria um Ronaldo do ciclismo e que tanta falta faz a esta fantástica modalidade. Lembrar os seus 70 anos é um ato nobre e de reconhecimento por esta figura ímpar do desporto português. Pessoalmente tenho que lhe agradecer muito do gosto pelo desporto e a enorme admiração e fascínio que sempre tive pela modalidade.

  5. #15
    Sempre a subir! Avatar de MFMS
    Registo
    19-08-2012
    Local
    Serra Arada |Serra Freita
    Posts
    733

    Predefinido

    O meu ídolo no ciclismo, não pelas classificações que fazia (que eram muito boas) mas pela pessoa que demonstrava ser!

    Destaco a
    humildade
    como a sua característica principal!

    Vou tentar avivar este tópico e transcrever para aqui algumas reportagens sobre o J Agostinho dos nossos meios de comunicação:


    E o Joaquim Agostinho, como era? Resposta por Marco Chagas, I

    Ah, esse não era normal, esse era um fora de série. Nós somos pessoas comuns, alguns com algum jeito, mas ele era o fora de série, posso dizê-lo, lidei com ele, fomos companheiros de quarto. E olhe que o apanhei a caminho dos 40 anos! Ele só começou a correr aos 25, agora imagine se tivesse feito formação desde miúdo. Ah, fez dois terceiros lugares na Volta à França, mas teria ganho a corrida várias vezes.

    ... Sabe que ele fazia mergulho? Num estágio que fizemos na Cote D''Azur ele levou o equipamento de caça submarina. Um dia vestiu o fato, pegou nos óculos, no respirador e na arma e foi mergulhar. Eu fiquei na praia a ver. Repare que não havia cá botija de oxigénio. Ele mergulhou, veio ao de cima, voltou a mergulhar e desapareceu. Minutos! Sei lá, minutos! Eu ali a ficar em pânico e o tipo nada. Eu estava apavorado! Minutos! Depois lá apareceu, chamei-o e ele: "O que foi? Tudo normal!" O Joaquim Agostinho tinha uma caixa torácica com o dobro da largura da minha. Depois disse-me que estava habituado a fazer aquilo, porque em África, quando esteve Moçambique na guerra, era ele que ia mergulhar para agarrar os peixes para a malta comer. Sabe como é, mandavam uma granada para dentro de água, aquilo rebentava, depois iam lá buscar os peixes. E a outra história: na Volta ao Algarve, em 1984, no dia antes da queda que viria a ser fatal, fizemos a ligação entre o hotel e o início da etapa de bicicleta. Pelo caminho ele disse-nos que achava que não ia fazer um grande resultado no contra-relógio. "Você está maluco!", respondemos. Olhe que ele tinha 41 anos! Mas deu um minuto a toda a gente! A mim deu-me um minuto e eu até achava que percebia alguma coisa daquilo! E foi de amarelo que morreu.

    Eddie Merckx sobre Agostinho, Expresso

    O belga Eddie Merckx , eleito melhor corredor do século XX pela União Ciclista Internacional, lembra-se dos "domingos de fiesta" pedidos por Joaquim Agostinho em plena Volta a França, entre as "muitas boas recordações" de um "grande atleta".
    Em entrevista à Agência Lusa, o pentacampeão do Tour e do Giro destaca o "enorme poder físico" de Agostinho como característica principal.
    "Às vezes, ao domingo, dizia na brincadeira para nós que era 'fiesta' (feriado), para irmos com mais calma. Tenho muitas boas recordações. Era um sujeito muito simpático, um grande atleta", contou Merckx, recordista de vitórias em etapas (34) e de dias com a camisola amarela (111) da "Grande Boucle", em apenas sete presenças.
    O "Canibal" considera que era "melhor trepador" que Agostinho, mas reconhece que o português se revelava "impressionante" em tiradas de "sobe-e-desce", como numa das etapas do ano de estreia do português no Tour, em 1969: "Ele ia fugido e nós não conseguíamos apanhá-lo porque estava muito forte".

    Joaquim Agostinho, em 13 participações na corrida francesa, ganhou cinco etapas - duas em 1969, uma em 1973, outra em 1977 e, finalmente, conquistou o carismático Alpe d'Huez, na 17ª tirada do "Tour 1979", quando repetiu a sua melhor prestação de sempre na geral, igualando o terceiro posto do ano anterior
    "Depende de que equipa viesse a fazer parte e do momento dos outros corredores. Acho que eu era melhor trepador e ele era impressionante em etapas de 'sobe-e-desce', mas, depois, claro que teria sido possível ele ganhar o Tour, por que não?", concluiu Merckx, questionado sobre o trabalho que Agostinho tinha que fazer para os seus chefes-de-fila ao longo da carreira internacional.


    Joaquim Agostinho. O génio e o louco no corpo de um campeão, Jornal I

    10 de Maio de 1984. 9h37 minutos. A Rádio Televisão Portuguesa espalha a notícia pela qual todos esperavam angustiados. Joaquim Agostinho morreu. O Hospital da CUF encheu em poucas horas e o povo saiu à rua para se despedir do grande campeão. "Portugal parou naquele dia. Estava toda a gente agarrada à rádio para saber notícias do Agostinho. Aproximava-se o 13 de Maio e as pessoas organizavam-se para ir a Fátima pedir por ele, para ver se ele se salvava." Mas não. A morte pregou a última rasteira a Joaquim Agostinho. Morreu depois de dez dias em coma.

    "O médico disse-nos: 'Já não sei que lhe diga. Só lhe dávamos 24 horas de sobrevivência, mas afinal...' Ele foi forte até ao fim. Era um campeão completo", diz João Roque, antigo ciclista do Sporting, e o homem que fez dele uma lenda. "Foi uma morte muito sentida. Um funeral assim, só comparado ao do Sá Carneiro. Desde a Basílica da Estrela [em Lisboa], até aqui à Silveira [Torres Vedras] não se viu um metro de chão de tanta gente que era."

    Ramalho Eanes, Presidente da República na altura, e Mário Soares, como primeiro-ministro, prestaram também a última homenagem a Joaquim Agostinho, por entre o aglomerado de gente que veio de todos os cantos do país.

    "Quando ele caiu em Quarteira, na Volta ao Algarve, por causa de dois cães que se atravessaram na frente da bicicleta, o augúrio não foi nada bom", diz Francisco Araújo, mecânico velocipédico e fiel companheiro de Agostinho. "Depois da queda ele disse-me assim: 'Araújo, mete- -me em cima da bicicleta.' Ele nunca me pediu tal coisa. O pé esquerdo dele não assentava no pedal, a cabeça pendia para a frente e quando reparei a minha camisa estava cheia de cabelos. Mas ele queria continuar a correr", conta, fazendo uma pausa dramática no discurso. "Ele foi sempre teimoso, sabe. Foi a teimosia que o matou." No final da etapa, Agostinho recusou entrar para a ambulância, onde aguardava António Palma, também vítima da mesma queda. O torriense preferiu ir para a residencial O Nosso Paraíso onde estava alojado. Por muito sugestivo que fosse o nome, a noite foi um verdadeiro inferno. "Começou a sentir-se mal e fartou-se de vomitar. Foi levado para o Hospital de Faro, mas andou a empatar durante todo o dia. Acabou por ser levado numa ambulância para Lisboa, mas foi tarde de mais", suspira o mecânico. Uma das maiores mágoas de Francisco Araújo, de 75 anos, foi não ter estado no funeral. "Queria cá ficar com ele, mas tinha um contrato para cumprir e tive de ir fazer uma volta à Colômbia, durante os dias em que ele esteve em coma. Quando morreu fiquei muito triste, estava longe, ainda por cima", relembra, mexendo ansioso numa caneta, sentado na secretária do sótão, que com os anos transformou num museu do ciclismo. Tem catalogados 500 bonés, 184 camisolas e mais de 20 mil recortes de jornais.


    COMO SE FAZ UM CAMPEÃO
    "Um dia, ele veio cá pedir-me ensinamentos sobre ciclismo", conta João Roque, de 70 anos, que só nos pôde dar a entrevista à tarde, porque de manhã foi dar a sua habitual volta de bicicleta domingueira de 80 quilómetros. "Mais tarde começou a pedir- -me camisolas e bonés e marquei-lhe alguns treinos. No dia de Natal inscrevi-o numa corrida aqui perto de Torres Vedras. Ganhou com uma volta de avanço", ri.

    Joaquim Agostinho era hortelão, viajava numa pasteleira de casa para o trabalho e pelo caminho adorava espicaçar os ciclistas na estrada. Em 1968, Agostinha já tinha 25 anos. Era demasiado velho para começar uma carreira de ciclista profissional. "Depois dessa exibição estrondosa levei-o ao Sporting, mas eles não o queriam, achavam que era tempo perdido, e ainda por cima não tinha técnica nenhuma, não sabia andar de bicicleta", conta João Roque. "Mas como eu era o menino querido do clube, acabaram por aceitá-lo", sorri trocista.

    Francisco Araújo dá continuidade à história de João Roque; conheceu Joaquim Agostinho, pela mão do ciclista do Sporting. "Durante um treino, ele pôs-se à frente do pelotão e desapareceu. Tiveram de o mandar parar senão ele continuava por ali fora", ri o mecânico. Em 1969 Agostinho venceu a primeira corrida em que participou e ganhou mais seis campeonatos.

    Na Primavera desse ano, aceita estagiar na Frimatic, em França. No avião, onde viajava com Leonel Miranda, companheiro de muitas voltas, estava também Amália Rodrigues que o alertou para os perigos de ser uma vedeta. "Agostinho, provavelmente a partir de agora vais ter de deixar Portugal com frequência. Em França vais ser bem recebido, mas tem cuidado com as raparigas, elas vão tentar seduzir-te. Mentaliza-te que o que elas querem é incompatível com a tua profissão", disse-lhe a fadista. Em Julho, alinha no Tour de France, ganha duas etapas e acaba em oitavo lugar. Nunca um ciclista português tinha chegado tão longe e Eddy Merckx, o canibal da Volta a França, começa a olhá-lo pelo canto do olho. "Todos os dias ouvíamos o relato na cabine, era uma festa, uma algazarra. Era um feito único", relembra, contente, Francisco Araújo, como se estivesse a reviver o momento. "Mas ele caía muito. Há retratos onde ele aparece com os braços e as pernas todas ligadas. O ciclismo é uma disciplina de muito sofrimento. Um ciclista não pode parar, ao contrário do futebol. Se um deles cai, fica na relva à espera de um massagista", diz enumerando os problemas de Agostinho. "Ele não sabia medir a força que tinha e espetava-se sempre nas curvas." O ciclista torriense era apelidado de homem-adesivo por causa das inúmeras quedas.

    Na Volta a Portugal desse mesmo ano, Agostinho acusou positivo num controlo antidoping e a vitória foi atribuída a Joaquim Andrade. Reclamou estar inocente e nos anos seguintes provou que era o maior. Venceu três voltas consecutivas. A primeira em 1970, faz este ano 40 anos.

    Joaquim Agostinho participou ainda em 12 Voltas a França. "Em 1980, virou-se para o Jean de Gribaldy [director-desportivo francês] e disse-lhe: 'A partir de hoje quero o meu mecânico aqui comigo, estou farto de cair'", conta Araújo. "Os pneus estavam sempre todos mal colados e as rodas passavam a vida a saltar, por isso é que ele caía tanto."

    Araújo é engenhoso, não é por acaso que tem o epíteto de "melhor mecânico velocipédico do mundo". Quando chovia, Araújo passava limão pelas rodas da bicicleta de Agostinho, para que tivesse maior aderência à estrada. "Se não fosse mecânico, era barbeiro como o meu pai. Mas eu passava a vida a fugir da barbearia e enfiava-me na casa de bicicletas que havia lá ao lado. Comecei aos dez anos, a ganhar 10 tostões."

    Mais do que amigo, o mecânico de Sacavém zelou sempre pelos interesses do ciclista. Dormiu muitas noites junto das bicicletas com medo de sabotagem de outras equipas. Antigamente não havia nem contentores, nem camiões para as guardar. "Era uma forma de fugir aos percevejos das pensões manhosas em que ficávamos", diz divertido. Joaquim Agostinho foi bom, mas podia ter sido melhor. "Ele era um grande homem, um óptimo colega. Podia ter ganho muitas Voltas a França, mas ele não queria saber disso para nada. Se havia alguém em apuros, ele parava a bicicleta e ia ajudá-lo se fosse preciso. Empurrou muitos até à meta. Uma vez, avisaram o pelotão que a água só seria distribuída no final da etapa. Ele revoltou-se, parou e foi buscar água para dar a todos." Francisco Araújo abana a cabeça desconcertado. Joaquim Agostinho tinha tanto de génio como de louco. "Todos gostávamos dele por causa disso."

  6. #16
    Sempre a subir! Avatar de MFMS
    Registo
    19-08-2012
    Local
    Serra Arada |Serra Freita
    Posts
    733

    Predefinido

    A RTP fez mesmo agora reportagem no Telejornal.
    http://www.rtp.pt/noticias/index.php...=122&visual=61

  7. #17
    Já se equilibra aos poucos
    Registo
    18-12-2011
    Posts
    41

    Predefinido

    Boas MFMS, verifico que é também um bom conhecedor e certamente admirador do grande Joaquim Agostinho. É sempre com emoção que revejo os momentos da sua carreira. Na sua comunicação era de uma simplicidade e sinceridade que muito cativava os portugueses. Uma pequena mas agradavel reportagem da RTP. Seria bom divulgarem mais o seu percurso. Mas é normal fazerem isso com os grandes atletas deste país:Rosa Mota, Carlos Lopes, Fernanda Ribeiro, Fernando Mamede,etc também pouco se fala deles, o que é estranho num país em que até não temos assim tantos atletas deste nivel

  8. #18
    Sempre a subir! Avatar de MFMS
    Registo
    19-08-2012
    Local
    Serra Arada |Serra Freita
    Posts
    733

    Predefinido

    Citação Post Original de LAML Ver Post
    Seria bom divulgarem mais o seu percurso. Mas é normal fazerem isso com os grandes atletas deste país:Rosa Mota, Carlos Lopes, Fernanda Ribeiro, Fernando Mamede,etc também pouco se fala deles, o que é estranho num país em que até não temos assim tantos atletas deste nivel
    Viva LAML

    Concordo plenamente. Esses atletas juntos com o Agostinho estão ao nível dos nossos melhores jogadores de futebol.
    No inicio do tópico tem um documentário de 40 minutos que a RTP produziu sobre o JAgostinho.

    Já agora, o museu que era para ser feito sobre o Joaquim Agostinho em Torres Vedras avançou ??

  9. #19
    Já se equilibra aos poucos
    Registo
    12-12-2009
    Local
    Torres Vedras
    Posts
    91

    Predefinido

    Tenho o prazer de fazer parte da família do Joaquim Agostinho.
    De conhecer a família dele e de ser "da família dele".

    Ver camisolas, bonés, expostos lá em casa e ouvir histórias de quem as conta num misto de orgulho e saudade é inexplicável.
    Nunca o conheci. Nunca o vi a não ser pelas fotos.

    Mas, conhecendo a família como conheço e lendo o que escrevem dele, tenho certezas absolutas que era a pessoa fenomenal que contam, que recordam.
    Curioso como a simpatia de um é capaz de emocionar tanto o outro.

    Até já "tio" !

  10. #20
    Sempre a subir! Avatar de MFMS
    Registo
    19-08-2012
    Local
    Serra Arada |Serra Freita
    Posts
    733

    Predefinido

    Citação Post Original de Kamoes Ver Post
    Tenho o prazer de fazer parte da família do Joaquim Agostinho.
    De conhecer a família dele e de ser "da família dele".

    Ver camisolas, bonés, expostos lá em casa e ouvir histórias de quem as conta num misto de orgulho e saudade é inexplicável.
    Nunca o conheci. Nunca o vi a não ser pelas fotos.

    Mas, conhecendo a família como conheço e lendo o que escrevem dele, tenho certezas absolutas que era a pessoa fenomenal que contam, que recordam.
    Curioso como a simpatia de um é capaz de emocionar tanto o outro.

    Até já "tio" !
    Olá Kamoes!

    Tinha todo prazer em ler essas histórias aqui no forum, se quisesse partilhar, obviamente.

    Cumprimentos

Regras

  • Você não pode colocar novos tópicos
  • Você não pode responder
  • Você não pode adicionar anexos
  • Você não pode editar as suas mensagens
  •